Mercado imobiliário

Como fazer a avaliação do imóvel: 5 pontos para analisar antes da compra

Como fazer a avaliação do imóvel: 5 pontos para analisar antes da compra

Comprar um apartamento ou uma casa não é a mesma coisa que entrar em uma loja para adquirir um par de sapatos, pois é um processo que envolve muito mais dinheiro e burocracia. Por isso, antes de tomar qualquer decisão, o mais indicado é fazer a avaliação do imóvel, independentemente se for uma propriedade nova ou usada.

Fazer a avaliação do imóvel não chega a ser algo difícil, mas é uma atividade criteriosa, pois abrange vários detalhes. No entanto, é uma prática essencial para evitar problemas no futuro. Para quem é investidor e já passou pelo processo de comprar um imóvel, é mais tranquilo cuidar de tudo sozinho, pois a experiência ajuda. Agora, quem vai fazer a primeira aquisição e não conhece muito bem todos os trâmites, pode pedir o auxílio de um especialista, como um corretor de imóveis.

São muitos os detalhes que precisam ser verificados, como a documentação, a infraestrutura do imóvel, o tamanho e a localização. Inclusive, já publicamos aqui no blog um artigo com dicas de como escolher a melhor área da cidade para comprar um apartamento. Agora, siga com a gente e veja as orientações que separamos para você fazer uma avaliação do imóvel segura e eficiente!

5 pontos essenciais para fazer a avaliação do imóvel

Bom, como já falamos sobre localização em outro texto, não vamos entrar nesse tópico aqui. Nosso foco será em outros 5 aspectos importantes na hora de fazer a avaliação do imóvel. Acompanhe:

1 – Escolha o tamanho adequado às suas necessidades

O tamanho do imóvel é um aspecto que precisa ser levado em consideração. O apartamento ideal deve ter espaço para abrigar os moradores de maneira confortável e também permitir que as atividades do dia a dia sejam feitas de forma tranquila. Vários critérios devem ser avaliados antes de escolher uma propriedade mais compacta ou mais espaçosa. Veja alguns pontos que podem ajudar na tomada de decisão:

  • Tamanho da família;
  • Animais de estimação;
  • Estilo de vida;
  • Valor disponível para investir.

Imóveis grandes e pequenos têm suas vantagens e desvantagens. Com menos espaço, por exemplo, a limpeza e a organização ficam mais fáceis. Entretanto, em propriedades maiores é possível reunir um número maior de convidados.

2 – Observe a incidência de luz solar

Existem inúmeras vantagens em morar em um local em que a luz solar tenha boa incidência. A posição do imóvel interfere no seu conforto térmico, favorece a economia de energia elétrica e combate o surgimento de ácaros e mofo. A iluminação natural também deixa o apartamento mais bonito e alegre.

Além disso, o sol é importante para a nossa saúde física e mental. Viver em um local com pouca incidência solar pode prejudicar a produtividade e a qualidade de vida dos moradores. Veja como descobrir como é a iluminação do lugar:

  • Observe o posicionamento das janelas. A incidência é maior quando elas estão voltadas para o norte;
  • Visite o imóvel em mais de um horário para observar os períodos de incidência solar;
  • Use aplicativos para saber a posição do sol durante o dia.

3 – Verifique as instalações elétrica e hidráulica

A estrutura é outro fator que deve estar presente na avaliação de imóveis. Os pontos que mais apresentam problemas, principalmente em residências usadas, são os elétricos e hidráulicos. Mas mesmo em imóveis novos, é importante verificar se tudo está funcionando e foi feito de acordo com as normas de segurança.

Por isso, antes de assinar o contrato, é preciso prestar atenção em algumas situações. Verifique, por exemplo, se o circuito elétrico está completo e em perfeitas condições. Para tanto, procure por resíduos de superaquecimento ou manchas escuras em disjuntores, tomadas e interruptores.

Além disso, imóveis mais velhos podem apresentar uma instalação incompatível com a demanda dos equipamentos utilizados hoje em dia. Nesse caso, não seria possível a instalação de aparelhos de ar-condicionado ou até mesmo chuveiros mais potentes.

A rede hidráulica também merece atenção. Então, abra chuveiros, torneiras e válvulas da propriedade, observando o funcionamento dos principais componentes e da tubulação. Preste atenção: água com coloração avermelhada ou turva pode indicar que a tubulação é antiga ou que falta manutenção no reservatório de água.

Repare, ainda, no teto e nas paredes, procurando por colorações escuras e manchas. Essas características podem representar infiltrações.

4 – Confira a documentação do imóvel

Sempre verifique a documentação do imóvel antes de fechar negócio. Qualquer irregularidade pode acabar prejudicando a negociação e, principalmente, o seu bolso.

Os documentos podem sofrer alterações conforme a localização e a situação do imóvel, por exemplo, se ele é novo ou usado, se está em processo de inventário, se a compra será por intermédio de incorporadora ou vendedor final, entre outros pontos. Conheça cada item:

  • Matrícula do imóvel atualizada: documento público oficial no qual se concentram todas as informações do imóvel, como proprietário, área total, área construída e localização. Em outras palavras, é como se fosse uma certidão de nascimento do imóvel, concentrando todo o histórico dele.
  • Certidão Negativa de Ônus Reais: documento emitido pelo Cartório de Registro de Imóveis que tem como objetivo identificar se há algum ônus que possa recair sobre a propriedade, por exemplo, penhora, hipoteca e promessa de compra e venda. A certidão também apresenta o histórico do imóvel e dos proprietários nos últimos 20 anos, a fim de garantir que o imóvel esteja livre para fins que o proprietário desejar.
  • Certidão Negativa dos Cartórios de Protestos: tem o propósito de comprovar a inadimplência, ou não, de uma determinada pessoa física ou jurídica junto ao Cartório de Protesto. Ou seja, caso haja pendência de um título ou dívida sujeita a protesto, ela exibirá, por exemplo, cheque, nota promissória, duplicata ou letra de câmbio que possa impedir a venda do imóvel.
  • Certidão Negativa de Débitos Condominiais: expedida pela administradora ou pelo próprio síndico, tem a finalidade de comprovar que o condômino (proprietário), até aquela data, não possui débito junto ao condomínio.
  • Certidão Negativa dos Distribuidores Executivos Fiscais do Estado e Município: documento emitido pelo Poder Judiciário, tem como objetivo atestar possíveis ações em nome do vendedor, proprietário ou antecessor do imóvel, certificando que não haja qualquer tipo de cobrança de natureza fiscal, como impostos, taxas etc.
  • Certidão Negativa de Débitos de IPTU: comprova a inexistência de débitos relativos ao IPTU sobre o imóvel. No entanto, em caso de imóveis comprados na planta, quem fornece o número do contribuinte em relação ao terreno onde o empreendimento será construído é a incorporadora.

Para o caso da aquisição de imóvel em inventário, é necessário o dobro de atenção, porque se trata de um processo delicado e que normalmente envolve mais pessoas. Nessa situação, é preciso solicitar os seguintes documentos:

  • Autorização de venda pelo Ministério Público: caso haja menor de idade, o pedido de alvará para a venda deverá ser solicitado ao Juiz e, de acordo com o artigo 992 do Código de Processo Civil, somente será acolhido quando realizado pelo inventariante e ouvidos todos os herdeiros.
  • Cessão de Direitos Hereditários: escritura pública na qual os herdeiros transferem todos os seus direitos sobre o imóvel para o comprador.
  • Atestado de óbito: documento médico que declara o término da vida de um indivíduo e atesta as causas que ocasionaram a morte.
  • Formal da partilha: documento que tem como objetivo demonstrar que um imóvel foi dividido entre pessoas nas ações de inventário, como separação, divórcio, anulação e nulidade do casamento.

5 – Procure ver o negócio com olhos de investidor

Para maximizar o sucesso no investimento imobiliário, você precisa agregar valor, seja na compra, seja na propriedade em si. Isso permite uma valorização excepcional e é importante tanto para investidores frequentes quanto para quem apenas deseja comprar um cantinho para viver com dignidade.

Esse conceito é uma premissa geral e já existe em muitas outras áreas, sobretudo em administração de empresas e na venda de serviços. Se você compra um apartamento, fechar a varanda ou montar uma cozinha planejada melhora suas chances de passar a propriedade adiante em situação vantajosa.

Lembre-se também que o valor de mercado não subirá para sempre. O empreendimento imobiliário, como qualquer outro negócio, implica comprar na baixa e vender na alta para obter um bom lucro. Então, é importante saber quando comprar ou vender.

Esperamos que as nossas dicas ajudem você na aquisição do seu próximo imóvel e o convidamos a continuar acompanhando o nosso blog! Periodicamente, compartilhamos informações sobre o mercado imobiliário, dicas sobre negócios e construção civil, tendências e novidades sobre decoração e também falamos sobre os atuais e futuros empreendimentos da construtora. E, claro, se tiver algum assunto que você queira ver neste espaço, deixe sua sugestão nos comentários!

Voltar

Contato

Fale conosco e tire suas dúvidas!

(48) 3413-8296 | 99669-6576
comercial@concretur.com.br
Rua São Martinho, 615, sala 01 - Santa Augusta, Criciúma/SC. CEP: 88805-360 Ver no mapa
Contato via WhatsApp